COVID-19 Vítimas e algozes

O primeiro embalo dos frequentadores da grande boate, foi botar a boca no trombone e enfiar goela abaixo do povo de que a Ivermectina não era um bom negócio para quem contraísse o vírus da COVID-19.
É claro que eles não contaram que o bom negócio, era para a população, mas não para eles, afinal de contas, se todos resolvessem tomar a IVERMECTINA, os lucros das Big-Pharmas, iriam pelo ralo.
O grande lance, para eles, é que a Vachina é que seria a grande salvadora do planeta.
Mas para isso, é claro, eles precisavam mostrar a morte assombrando todas as casas, e por isso, foi necessário que eles impusessem o fecha tudo que a economia a gente vê depois.
Fechando tudo, com todas as pessoas trancadas em suas casas, naturalmente, que isso causaria a morte de pessoas que nem mesmo teriam pegado o vírus, caso, todo mundo não tivesse sido trancado em casa.

E logicamente, que algumas coisas fugiram ao controle dos controladores, e o Estado de Uttar Pradesh na índia, por exemplo foi o caso, pois esta região, por seus governantes, aprovaram o uso de Ivermeticna à população (70 por cento da população dos Estados Unidos da América) que houvesse testado positivo, bem como a todas as pessoas que tivessem tido contato com os infectados, e também aos agentes de saúde local.
Assim foi que em janeiro de 2021, o número de mortos na região era de algo em torno de 10 pessoas por dia.
Sendo que, curiosamente em uma região que tinha 230 milhões de habitantes, chegou ao cúmulo de não haver nenhum óbito advindo da COVID-19, mas, nos EUA, a região que é atendida pelos melhores sistemas de atendimentos médicos do mundo, contava com uma média de três mil mortes por dia.

Bem minha gente, os vilões, não precisam sequer ser enumerados, afinal de contas, basta observar os atores que circularam pela grande mídia defendendo o “FECHA TUDO”, defendendo a ideia de que, todos devessem trancar-se e aguardar que as coisas complicassem, para só buscar ajuda médica, quando já não estivesse conseguindo respirar.
E claro, enquanto isso, as vítimas aumentavam, e também muitos que sequer teriam sido vítimas, tornaram-se vítimas, porque, naturalmente, quando se mexe com dinamite, algo pode dar errado.
– Escolas fechadas, e consequentemente breve teremos muitos mais analfabetos do que costumeiramente teríamos;
– Empresas fechadas e a ruína financeira esteve muito mais próxima do que seria em outras situações;

E assim foi dado o Start para a implantação do “novo normal”.

Para nossa felicidade, não tivemos tantos doentes mentais querendo dominar e deixar ser dominado o restante da população, porque se não fora essas pessoas, com toda a certeza, já teríamos sim, toda aquela imensidão de mortos que os delinquentes de plantão, cantavam aos quatro ventos.

(ap. Ely Silmar Vidal – Teólogo: COJAE 0001-12-PF-BR; Psicanalista: CONIPSI CIP: 0001-12-PF-BR; Jornalista: DRT-0009597/PR e presidente do CIEP – Clube de Imprensa Estado do Paraná)

Contato:
(41) 98514-8333
(41) 99109-8374
(41) 99821-2381 (WhatsApp)

Mensagem 01032022 – COVID-19 Vítimas e algozes – (imagens da internet)

Os trabalhos que desenvolvo, não visam lucros financeiros, e são, apenas divulgação do que acho interessante para conhecimento geral, por isso, não monetizo.

Que o Espírito Santo do Senhor nos oriente a todos para que possamos iluminar um pouquinho mais o caminho de nossos irmãos, por isso contamos contigo.

Se a mensagem foi útil, e acha que pode ajudar alguém, divulgue: (ao replicar, preserve a fonte)

Siga-nos: https://www.bitchute.com/video/2CLTrv66uRvm/

Texto completo e outros em: http://www.portaldaradio.com

@elyvidal @radiocrista @pastorelyvidal @conipsip @CiepClube
#FalaPortaldaRadio #conipsi #cojae #dojae

Comentários

Autor: Ely Vidal

Olá, eu sou Psicanalista, Jornalista, Teólogo e pai de 7 filhos maravilhosos! Presido o Instituto IESS (Instituto de Educação e Serviço Social) que, dentre outras atividades, provê atendimentos psicanalíticos, suporte jurídico por meio da arbitragem e mediação de conflitos. CIP (Psicanalista) sob nº 0001-12-PF-BR. DRT (Jornalista) sob n° 0009597/PR.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.