STF a serviço da militância LGBT I

@flaviogordon disse: “Quando o decano da suprema corte do país fala em “padrão existencial heteronormativo”, é porque o país está irremediavelmente perdido. O sujeito usa vocabulário vagabundo de militância LGBT como se falasse de normas constitucionais. Vergonha. Chamem o cabo e o soldado!” (Flavio Gordon)

Ah a Suprema Corte…
Antigamente existiam as casas de tolerância, onde se reuniriam esses que hoje circulam na Suprema Corte, creio porém, que como a polícia andou fechando muitas dessas casas de tolerância, estes, “SUPREMOS” em fuga e desabalada carreira, fugiram para o STF.
Infelizmente nossa nação está nas mãos de vagabundos e de uma militância bastante envolvida com essa agenda criminosa.

Atualmente as casas de tolerância, assim como os canais pornográficos e as revistas pornográficas, já não chamam mais a atenção nem mesmo das crianças de jardins de infância. Tudo agora virou ARTE, e isso em nome da perseguição à liberação da pedofilia.
Existe na pauta de homens, que antigamente se julgaria que fossem sérios, deixar as crianças nas garras da pedofilia, liberando as crianças, a fim de que sirvam de picolé de pedófilo a qualquer custo. E por esse motivo a pauta da criminalização da homofobia.
Apesar de ter tido 4 votos favor de que determinados tipos de conduta, possam ser vistos como preconceito contra as pessoas LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais) e sabe-se lá o que mais vai entrar nessa denominação, seriam, esses atos, vistos como crimes de racismo; graças a Deus, essa ADO 26 Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão, foi tirada da pauta e segundo o ministro Dias Tóffoli, não tem ainda data para voltar à pauta do STF.
Lembrando que essa ADO 26, bem como o Mandado de Injunção nº 4.733, são ações que foram protocoladas pelo PPS Partido Popular Socialista, que tem como presidente o Roberto Freire, e pela ABGLT Associação Brasileiras de Gays, Lésbicas e Transgêneros (ABGLT), e que foi acolhida na relatoria de Celso de Mello e Edson Fachin.

O STF, não se dedica tanto às causas importantes à nação, como se dedica a isso tudo que seja para a destruição da família e das causas que verdadeiramente sejam importantes. Note-se que são inúmeros os pedidos de médicos, de remédios, e mesmo de soltura de pessoas que precisam de um tratamento diferenciado, mas que não encontram o resguardo do STF, pelo fato de o mesmo estar envolto nas penumbras do descaso à sociedade e àqueles que verdadeiramente lhes paga seus salários, que é o povo brasileiro.

O enquadramento da homofobia, que buscam caracterizar por condutas de preconceito contra o público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais), que seria enquadrada como crime de racismo, nada mais é, do que dar super poderes a uma determinada classe, que então, a qualquer gritinho poderá vir a ser vítima de qualquer coisa que a essa classe interessar que seja vista.

Bem, não preciso dizer, mas acho importante lembrar que a “Suprema Corte”, na minha opinião, pode muito bem, ser chamada de “Casa de Tolerância Suprema”. Ela, por seus integrantes, perderam a vergonha e não há como buscar respeitar o que a si mesmo não se respeita.

Mas, podemos ver que a boa mão de Deus está ativa. A sessão foi suspensa e segundo o Dias Tóffoli não tem data para voltar à pauta do STF. “Isso ainda vai ser definido, ainda vou estudar”
“Tem vários casos que estavam em pauta que, em razão desse caso ter tomado quatro sessões, não puderam ser chamados, então eu tenho que readequar a pauta dentro de todo o semestre. Isso eu tenho que analisar com calma.” (Dias Toffoli, quando inquirido sobre a possível data de retorno do julgamento)

Segundo os envolvidos nessa conversa esdrúxula, pretendem que a minoria LGBT possa estar sendo vista no futuro próximo como “raça social”, e dessa forma aquelas pessoas que forem vistas como agressores, deverão ser punidos dentro dos crimes de racismo, onde a conduta é vista como inafiançável e imprescritível. E cujas penas variam entre um a cinco anos de reclusão, variável conforme a conduta.

O que nos deixa mais estupefatos, é o fato de que, de acordo com o atual ordenamento jurídico brasileiro, cabe ao Poder Legislativo a criação de leis. Assim sendo, notamos uma novidade no STF que agora legisla também, ou pelo menos, se pretendem ao papel de legisladores os atuais “SUPREMOS”.

Flávio Gordon ainda sobre essa fala do decano:
“Não se nasce mulher, torna-se mulher” (palavras do decano da Suprema Corte brasileira). Flávio Gordon comenta em seu twitter:
“Pois bem. Não se nasce um juiz de merda. Torna-se um juiz de merda.”

E a Raquel Dodge, resolve em conjunto com o STF, colocar no mesmo presídio homens e mulheres, embora esses homens que eles transferem para essa cadeia, sejam gays ou travestis.

(ap. Ely Silmar Vidal – Teólogo, Psicanalista, Jornalista e presidente do CIEP – Clube de Imprensa Estado do Paraná)

Contato:
(41) 99820-9599 (TIM)
(41) 98514-8333 (OI)
(41) 99109-8374 (Vivo)
(41) 99821-2381 (WhatsApp)

Mensagem 230219 – STF a serviço da militância LGBT I – (imagens da internet)

Que o Espírito Santo do Senhor nos oriente a todos para que possamos iluminar um pouquinho mais o caminho de nossos irmãos, por isso contamos contigo.

Se esta mensagem te foi útil, e achas que poderá ser útil a mais alguém, ajude-nos: (ficaremos muito gratos que, ao replicar o e-mail, seja preservada a fonte)

leia este texto completo e outros em:

http://www.portaldaradio.com

@elyvidal @radiocrista @pastorelyvidal @conipsip
#FalaPortaldaRadio #BoicoteaRedeGlobo #conipsi #cojae #dojae #ciepClubedeImprensa #abaixoaRedeGlobo

Comentários

Autor: Ely Vidal

Olá, eu sou Psicanalista, Jornalista, Teólogo e pai de 7 filhos maravilhosos! Presido o Instituto IESS (Instituto de Educação e Serviço Social) que, dentre outras atividades, provê atendimentos psicanalíticos, suporte jurídico por meio da arbitragem e mediação de conflitos. CIP (Psicanalista) sob nº 0001-12-PF-BR. DRT (Jornalista) sob n° 0009597/PR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.