Apelidar criminosos tem objetivo contrário “Compositor e Brahma”

Brahma, Compositor e “Cães de Aluguel”: explicando apelidosCriminosos podem usar apelidos para evitar confusão com nomes comuns demais, “doar” a identidade para uma grande causa e/ou confundir investigadores
“Cães de Aluguel”, um dos meus filmes prediletos de Quentin Tarantino, começa com uma cena em um café. Tim Roth, Harvey Keitel, Steve Buscemi, o próprio Tarantino e quatro outros estão reunidos antes de um crime. À exceção do chefe da quadrilha e seu filho, todos têm apelidos: Mr. Blonde, Mr. Blue, Mr. Brown, Mr. Orange, Mr. Pink e Mr. White.
Para o ex-presidente da empreiteira OAS, Léo Pinheiro, Lula é o “Brahma”, Jaques Wagner é o“Compositor”. Para Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobras, João Vaccari Neto (ex-tesoureiro do PT), é“Moch” (de “mochila”).
Por que criminosos (ou suspeitos de crimes, no caso de alguns dos petistas) usam apelidos? Em seu livro“Codes of the Underworld: how criminals communicate”, o sociólogo Diego Gambetta fornece três explicações. A primeira é que em alguns países controlados por máfias, como a Itália era, certos nomes são muito comuns. Apelidos serviam para diferenciar mafiosos. Imagina a confusão se você mata o sujeito errado?!
O segundo motivo para apelidar criminosos tem o objetivo contrário: despersonalizar. Organizações como as FARC colombianas fazem isso. Em certa medida, “Cães de Aluguel” mostra isso também: os senhores são cores. Não são exatamente humanos. Estão a serviço de um objetivo maior.
O último motivo, mais prosaico, é o que provavelmente explica a referência do ex-presidente da empreiteira OAS ao “Brahma” (Lula) e o “Compositor” (Jaques Wagner, atual ministro da Casa Civil da Presidência da República). – (Por: Sergio Praça 07/01/2016 às 10:55)

Comentários

Autor: Ely Vidal

Olá, eu sou Psicanalista, Jornalista, Teólogo e pai de 7 filhos maravilhosos!

Presido o Instituto IESS (Instituto de Educação e Serviço Social) que, dentre outras atividades, provê atendimentos psicanalíticos, suporte jurídico por meio da arbitragem e mediação de conflitos.

CIP (Psicanalista) sob nº 0001-12-PF-BR.
DRT (Jornalista) sob n° 0009597/PR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *