Vida Eterna no Corredor da Morte

https://www.dailywire.com/news/adams-everlasting-life-on-death-row ÷
Por Mike S. Adams

Toda vez que tenho a chance, uso meu intervalo prolongado entre os semestres para fazer uma viagem pelo Mississippi, onde nasci, e depois de volta ao Texas, onde cresci. Visitar amigos e familiares e ver minhas antigas casas de infância me dá a chance de pensar para onde estou indo ao refletir sobre onde estive. A viagem deste ano aconteceu de concluir em 30 de dezembro, que foi o 20º aniversário de um marco importante em uma jornada pessoal maior. Foi o dia em que entrevistei John Paul Penry no corredor da morte no Texas, a poucos quilômetros da casa dos meus pais e apenas treze dias antes de sua execução programada.

John Paul Penry foi um estuprador cruel e assassino. Seu primeiro estupro o colocou na prisão, mas ele saiu em liberdade condicional após apenas dois anos. Enquanto estava em liberdade condicional, ele cometeu seu segundo estupro, que terminou com o assassinato da jovem vítima. Ele bateu tanto nela que estourou os dois rins. Ele então acabou com ela enfiando uma tesoura em seu coração. Quando mais tarde ele foi condenado e sentenciado à morte, seus advogados argumentaram que ele era retardado mental e, portanto, não deveria ser executado pela proibição da Oitava Emenda de Castigo Cruel e Punição Incomum.

Depois que o caso de Penry passou pelo sistema de justiça por vinte anos, que incluiu duas viagens à Suprema Corte, sua data de execução foi redefinida pela terceira, e o que parecia ser a última, vez . Meu pai havia se aposentado no mesmo prédio onde as execuções no Texas ocorreram. Além disso, nosso vizinho era o diretor. Assim, quando expressei interesse em entrevistar Penry antes de sua execução agendada, não foi difícil para mim fazer os arranjos.

Meu objetivo era bem simples quando cheguei no corredor da morte na segunda e última manhã do século XX. Eu simplesmente queria reunir informações importantes para poder fazer um trabalho melhor ensinando o caso aos meus alunos. Eu vinha ensinando a decisão Penry v. Lynaugh (a emitida pela Suprema Corte em 1989) por vários anos porque abordava algumas questões constitucionais e filosóficas importantes. Eu não tinha ideia de que a entrevista me afetaria tão pessoalmente.

Enquanto conversava com Penry, abordamos o assunto de sua suposta história de abuso nas mãos de sua mãe. Durante essa parte da entrevista, fiquei convencido de duas coisas. Uma era que algumas de suas alegações eram válidas. A outra era que algumas de suas alegações haviam sido elaboradas para ganhar simpatia no tribunal da opinião pública, bem como clemência no tribunal.

Da mesma forma, ao abordarmos o tópico de suas alegações de retardo mental, eu também fiquei convencido de duas coisas. Uma era a de que havia evidências objetivas reunidas antes de sua carreira criminal, que demonstravam um padrão claro de pelo menos leve retardo mental. A outra era que suas alegações de deficiência mental haviam sido exageradas para ganhar simpatia no tribunal da opinião pública, bem como clemência no tribunal.

Depois de reunir todas as informações que estava procurando, levantei-me e coloquei minha mão no vidro para fazer o chamado aperto de mão no corredor da morte com Penry – assim como ele colocou a mão do outro lado do vidro. Foi nesse momento que algo surreal aconteceu. Pouco depois de me dizer que estava com medo de ser executado, ele recitou João 3:16 para mim da melhor forma possível dentro da sua capacidade cognitiva.

Naturalmente, tive que perguntar a Penry se ele havia realmente lido a Bíblia. Ele indicou que, depois de aprender a ler e escrever no corredor da morte, ele havia lido a Bíblia inteira ao longo de seus muitos anos como condenado. Depois que ele me disse isso, eu me virei e fui embora. Ao sair da prisão, concluí que Penry lera a Bíblia por puro tédio ao longo de duas décadas, mas havia razões claras para duvidar que ele tivesse algum tipo de experiência legítima de conversão.

Quando voltei para a casa dos meus pais, eu estava dominado pela emoção do dia. Simplesmente imaginar um estupro ou assassinato brutal é avassalador, mas os detalhes da vida miserável de Penry também me atingiu no âmago. Para compor as coisas, há algo realmente preocupante em estar no corredor da morte. Até meu cachorro sabia que eu estava chateado quando cheguei em casa. Ele me seguiu e continuou enfiando a cabeça na minha mão para me lembrar que acariciá-lo me acalmaria.

Mas era difícil para mim me acalmar sabendo que um assassino e estuprador condenado com limitações mentais substanciais lera a Bíblia enquanto eu não. Afinal, eu já era um professor titular. Como eu poderia me chamar de educador não tendo lido o livro mais importante já publicado? Essa pergunta me levou a tomar uma das decisões mais importantes que já tomei na minha vida. Eu iria para casa, compraria uma cópia da Bíblia e a leria de capa a capa no próximo ano.

O resto da história está bastante bem documentado. Decidi fazer seis pausas e ler seis livros de apologia enquanto trabalhava na versão King James. Quando terminei, converti-me e assim me tornei o único cristão conservador em um departamento cheio de marxistas. Embora a transformação tenha levado a muitos conflitos e, eventualmente, sete anos de litígio no tribunal federal, certamente valeu a pena. Eu tinha ido lá em uma missão para ajudar a salvar John Penry do corredor da morte, mas acabei sendo aquele que teve sua sentença de morte comutada.

Esta história não é meu testemunho. Nem sequer é sobre mim. É sobre aqueles que consideram seus próprios pecados passados um julgamento irreversível de morte. Já contei isso antes, mas conto novamente porque quero que as pessoas considerem as implicações do fato de que Deus pode usar até um estuprador e assassino com retardo mental para um propósito maior do reino.

Para afirmar o ponto bastante óbvio da coluna, se John Paul Penry pode ser usado por Deus, você também pode. Então, por favor, não mergulhe na auto-piedade. Supere a si mesmo e comece a trabalhar. Saiba que você ainda é valioso e ainda é necessário para realizar o difícil trabalho de alcançar almas perdidas onde quer que as encontre.

Comentários

Autor: Ely Vidal

Olá, eu sou Psicanalista, Jornalista, Teólogo e pai de 7 filhos maravilhosos! Presido o Instituto IESS (Instituto de Educação e Serviço Social) que, dentre outras atividades, provê atendimentos psicanalíticos, suporte jurídico por meio da arbitragem e mediação de conflitos. CIP (Psicanalista) sob nº 0001-12-PF-BR. DRT (Jornalista) sob n° 0009597/PR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.