O Brasil será representado junto ao G7

Apenas a título de curiosidade, o Brasil encontrou apoio, justamente, porque teve a ousadia de eleger Bolsonaro, na última eleição e isso, de uma forma ou de outra, tem agradado ao mundo.
O mundo está de certa forma, muito mais feliz e tranquilo, sabendo que o Brasil conta, hoje, com um presidente como Jair Bolsonaro.
Estados Unidos da América, Japão, Reino Unido e Itália, além de Israel estão muito bem com o Brasil.
E apesar de um apoio mais discreto, a própria China, procurou demonstrar nesta sexta-feira, através do homem que é o número dois na embaixada chinesa em Brasília, um certo ânimo para com a atual política ambiental brasileira, que foi elogiada pelo importante representante chinês.
Seu nome é Qu Yuhui, e ele reafirmou o grande interesse de negociação, através de um contrato de livre comércio que pode vir a se concretizar entre os dois países.

Naturalmente que de todos os países, um dos maiores entusiastas é justamente os EUA representado pelo Donald Trump que já manifestou o interesse em levar pessoalmente a posição do Brasil, para que seja avaliada pelo G7.
Caso isso aconteça, não precisamos dizer que Emmanuel Macron, fica aos olhos do mundo como um moleque que é pego de calças curtas, fazendo xixi no muro da história.

Esta atitude de Trump, fica muito mais clara e evidente, quando o próprio Trump declara, que a relação com o presidente Bolsonaro está mais sólida do que antes estava.

Isso termina por representar um tiro no pé que Emmanuel Macron deu em seu próprio pé.
Emmanuel Macron provocou uma reunião extraordinária, justamente porque dizia ele, que o Brasil estaria promovendo queimadas, e dessa forma, estaria acabando com o “pulmão do mundo”.
O que Emmanuel Macron não contava é que Bolsonaro poderia ver a sua defesa, ou a defesa de que o Brasil não está agindo da forma como Macron nos acusa, pelas mãos de um poderoso e importantíssimo aliado mundial, ou seja, o próprio Donald Trump, presidente dos Estados Unidos da América.

É muito bom que seja lembrado, que os países que nos oferecem apoio, Reino Unido, Itália e Japão, são países que fazem parte do G7, lembrando que Espanha, Chile Argentina e Peru também fazem parte do mesmo grupo, e que o Brasil mantém uma relação saudável com todos.

O G7 deverá se reunir neste 25 de agosto em Biarritz (sudoeste da França, e naturalmente, que sabemos, tudo deverá correr dentro de uma ordem e tranquilidade, especialmente, porque o Brasil não está só.

Além de tudo o que já foi dito, contamos também com a manifestação desinteressada dos EUA em nos ajudar a conter os focos de incêndio que porventura venham a surgir;
Ao contrário dos países que ameaçam intervenção, e até mesmo a adoção de barreiras comerciais, por causa das queimadas e da política ambiental brasileira, encontramos o aliado na pessoa de Trump que nos oferece o apoio e com a reafirmação de que as “perspectivas de comércio são muito animadoras” entre Brasil e EUA.

Esse tipo de atitude, quando acontece, é claro que necessita de um primeiro passo, que deve ser dado por alguma das partes. Ao que tudo indica, houve o primeiro passo, dado pela Casa Branca, que ligou para o Presidente Bolsonaro, e em atitude cordial, a conversa girou entre uma espécie de cooperação entre os dois países em torno dos problemas ambientais, garantindo assim o respeito à soberania de ambos.

A conversa foi bastante ampla, gerando uma oportunidade de aprofundamento no pensamento de ambos, para o aprofundamento dos laços entre os países, até a possibilidade de um acordo comercial bem mais abrangente.

Bolsonaro colocou durante seu pronunciamento em cadeia nacional, que tinha um importante membro do G7 que poderia manifestar-se favorável ao Brasil, de forma quase imediata, houve uma espécie de solidariedade de outros países que inclusive ofereceram meios para combater as queimadas.

Cremos que Macron, não repetirá a façanha novamente, especialmente, utilizando-se de chamada mentirosa e com foto desatualizada, ou seja, utilizando de “fake-news” para conseguir o que seria, um golpe contra o Brasil, através de uma grande farsa.

Macron tentou pegar o mundo desta forma:
“Nossa casa queima. Literalmente. A Amazônia, o pulmão do nosso planeta que produz 20% do nosso oxigênio, está em chamas. É uma crise internacional. Membros do G7, vejo vocês em dois dias para falar sobre esta emergência. #ActForTheAmazon” (twitter Macron – original em francês)

“Nossa casa está queimando. Literalmente. A floresta amazônica – os pulmões que produzem 20% do oxigênio do nosso planeta – está em chamas. É uma crise internacional. Membros da Cimeira do G7, vamos discutir esta primeira ordem de emergência em dois dias! – #ActForTheAmazon” (twitter Macron – original em francês)

Afora o fato de que, naturalmente, assuntos que envolvam o Brasil e a Amazônia, só poderão vir a ser discutidos, por sua soberania, com a presença do presidente da República, ou de seu representante autorizado.

Diante do exposto, é claro que alertamos o mundo que nosso presidente Jair Bolsonaro, apenas reagiu, ao chamar Macron de colonialista, após a percepção de que o presidente francês se utilizara de uma foto falsa, e com dados que não correspondem à realidade temporal.
Lembrando que Macron, não satisfeito em ser desmascarado com sua falácia, resolveu levar a conversa para o tapetão, e acusou o presidente Jair Bolsonaro de ser mentiroso.
Bolsonaro reagiu, respondendo que Macron, busca capitalizar-se politicamente com o desgaste que provocou.

Apesar das relações estremecidas, nosso embaixador na França, Luiz Fernando Serra, não se calou e falou aos que lhe queiram ouvir, que durante o governo de Lula, essas queimadas eram piores, porém, que a imprensa não divulgava, por isso, o assunto não chegou a ganhar o tom alarmista de agora.
Durante um programa para a TV francesa, Luiz Fernando Serra, afirmou que durante o governo Lula, os problemas eram muito mais graves na Amazônia, mas, Lula tinha um silêncio obsequioso a seu favor.
E que, Bolsonaro por ter sido eleito com 58 milhões de votos, não seria admitido pela esquerda como o vitorioso das urnas, porque a esquerda não digere muito bem as derrotas.

E não somente isso, mas Luiz Fernando Serra, disse também que dos incêndios ocorridos na Califórnia, ninguém ousou, sequer, responsabilizar Barack Obama. Lembrando assim a miopia esquerdopata que vigora no mundo todo.

Nessa entrevista perguntaram ao embaixador, se isso poderia ser apenas uma coisa da imprensa. Serra afirmou que sim. “Claro, (Jair Bolsonaro) derrotou a esquerda com 58 milhões de eleitores que eram contra Lula e seu partido. Mas a esquerda não admite perder eleições no Brasil.”

Lembrando que outro motivo que leva a imprensa a querer acabar com a reputação brasileira, reside no fato de que o Brasil é altamente competitivo na área agrícola.

Houve a instalação de uma crise diplomática, e é claro que existe a possibilidade de nosso embaixador vir a ser chamado para o Brasil. Isso demonstraria de forma inequívoca a insatisfação ocasionada pelas ofensas de Macron ao presidente Jair Bolsonaro, e por extensão ao Brasil.

(ap. Ely Silmar Vidal – Teólogo, Psicanalista, Jornalista e presidente do CIEP – Clube de Imprensa Estado do Paraná)

Contato:
(41) 98514-8333 (OI)
(41) 99109-8374 (Vivo)
(41) 99821-2381 (WhatsApp)

Mensagem 240819 – O Brasil será representado junto ao G7 – (imagens da internet)

Que o Espírito Santo do Senhor nos oriente a todos para que possamos iluminar um pouquinho mais o caminho de nossos irmãos, por isso contamos contigo.

Se esta mensagem te foi útil, e achas que poderá ser útil a mais alguém, ajude-nos: (ficaremos muito gratos que, ao replicar o e-mail, seja preservada a fonte)

leia este texto completo e outros em:

http://www.portaldaradio.com

@elyvidal @radiocrista @pastorelyvidal @conipsip @CiepClube
#FalaPortaldaRadio #conipsi #cojae #dojae

Comentários

Autor: Ely Vidal

Olá, eu sou Psicanalista, Jornalista, Teólogo e pai de 7 filhos maravilhosos! Presido o Instituto IESS (Instituto de Educação e Serviço Social) que, dentre outras atividades, provê atendimentos psicanalíticos, suporte jurídico por meio da arbitragem e mediação de conflitos. CIP (Psicanalista) sob nº 0001-12-PF-BR. DRT (Jornalista) sob n° 0009597/PR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.