Notre Dame: Pressagia nosso destino

O simbolismo da queima da Catedral de Notre Dame, o mais famoso edifício da civilização ocidental, símbolo icônico da cristandade ocidental, é difícil de não se ver.

É como se o próprio Deus quisesse nos advertir da maneira mais inequívoca que o cristianismo ocidental está se incendiando – e, com ele, a civilização ocidental.

Todas as principais forças sociais e intelectuais do ocidente (e uma força principal não-ocidental) conspiraram para livrar a Europa do cristianismo e da civilização que produziu.

No mundo ocidental, o Iluminismo francês – a base intelectual da Revolução Francesa e do Ocidente moderno – buscou substituir o cristianismo, e a religião em geral, pelo secularismo enraizado na razão. Nenhum Deus, Bíblia ou Dez Mandamentos é necessário para a moralidade ou sentido: a razão (e a ciência) os substituirá.
Os dois últimos golpes da morte do cristianismo na Europa foram as guerras mundiais. A Primeira Guerra Mundial acabou com a crença da maioria dos ocidentais no Estado-nação e no Ocidente. O cristianismo, já enfraquecido pelo Iluminismo, foi enfraquecido ainda mais pela Primeira Guerra Mundial. Os cristãos alemães estavam matando milhões de cristãos franceses e ingleses, e os cristãos franceses e ingleses estavam matando milhões de cristãos alemães. Então o argumento e o sentimento contra o cristianismo se confirmaram. Então, a Segunda Guerra Mundial viu ainda mais mortes no continente cristão, assim como o fracasso das igrejas católicas e protestantes na Alemanha nazista em oferecer um descumprimento mínimo ao ódio dos nazistas aos judeus.

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, toda doutrina intelectual ocidental interna era secular. Deus, a Bíblia e a religião eram consideradas, na melhor das hipóteses, um disparate inócuo e, no pior dos casos, um absurdo nocivo.
Enquanto isso, os europeus trouxeram uma ideologia não européia para a Europa, uma ideologia que, por mais de mil anos, buscou substituir o cristianismo como a religião dominante do mundo. Os europeus, acreditando em nada distintamente cristão ou ocidental e acreditando no absurdo moral e intelectual conhecido como “multiculturalismo” – uma doutrina que afirma que todas as culturas são moralmente equivalentes –
não viram nada problemático em trazer milhões de muçulmanos para a Europa. Eles não tinham idéia de que a maioria dessas pessoas realmente queria substituir o cristianismo por sua religião. Eles não tinham ideia porque, em sua ignorância e arrogância, eles supunham que, por serem multiculturalistas seculares, todos os outros também eram – ou seriam, uma vez que vivessem na Europa.

Eles estavam errados, claro. E como resultado, as duas forças dominantes na Europa – o esquerdismo secular e o islamismo – buscaram o fim do cristianismo e do Ocidente. (A esquerda acredita que proteger a civilização ocidental é equivalente a proteger a supremacia branca.)

Isso não está produzindo um quadro bonito. De um modo geral, o Islã não tem sido tão gentil, tolerante, aberto, medicamente ou cientificamente inovador ou intelectualmente curioso quanto à civilização ocidental (e sim, o nazismo e o comunismo nasceram no Ocidente, mas eram antiocidentais).

Mesmo sem dezenas de milhões de muçulmanos, a Europa pós-cristã não produziu um quadro bonito. Isso foi previsto em 1834, 100 anos antes da ascensão de Hitler, pelo grande poeta alemão Heinrich Heine, um judeu secular (que mais tarde se converteu ao protestantismo, “a entrada para a admissão na cultura européia”):

“O cristianismo – e esse é o seu maior mérito – atenuou um pouco esse brutal amor alemão à guerra, mas não poderia destruí-lo. Se esse talismã subjugante, a cruz, for destruído, a loucura frenética dos antigos guerreiros, aquela fúria insana e desvairada de que bardos nórdicos falaram e cantaram com tanta frequência, mais uma vez irromperá em chamas. Este talismã (a cruz) é frágil, e chegará o dia em que entrará estrondosamente em colapso. Então … uma peça será executada na Alemanha, que fará a Revolução Francesa parecer um idílio inocente”.

Os cristãos europeus perseguiram os judeus europeus, muitas vezes brutalmente. Mas foi preciso uma ideologia pós-cristã, o nazismo secular, para produzir Auschwitz – assim como o comunismo pós-cristão para produzir o Gulag, a Revolução Cultural chinesa e os genocídios ucranianos e cambojanos.

Além disso, o nazismo e o comunismo à parte, a crença da esquerda de que a razão secular pode substituir Deus e a Bíblia revela-se completamente errada. As supostas cidadelas da razão secular – as universidades – são as instituições mais irracionais e moralmente confusas do Ocidente.

Não sei se um acidente de trabalho ou um muçulmano radical incendiou a Catedral de Notre Dame (já que eles têm histórico de muitas outras igrejas na Europa). Em termos do que o fogo representou, isso não importa muito. O que importa é o presságio: a Europa está pegando em chamas, assim como a Notre Dame.

(Dennis Prager é um apresentador de talk show e colunista de rádio nacionalmente sindicado. Seu último livro, publicado pela Regnery em abril de 2018, é “The Rational Bible”, um comentário sobre o livro de Êxodo. Ele é o fundador da Universidade Prager e pode ser contatado em dennisprager . com. site townhall)

(ap. Ely Silmar Vidal – Teólogo, Psicanalista, Jornalista e presidente do CIEP – Clube de Imprensa Estado do Paraná)

Contato:
(41) 99820-9599 (TIM)
(41) 98514-8333 (OI)
(41) 99109-8374 (Vivo)
(41) 99821-2381 (WhatsApp)

Mensagem 160419 – Notre Dame: Pressagia nosso destino – (imagens da internet)

Que o Espírito Santo do Senhor nos oriente a todos para que possamos iluminar um pouquinho mais o caminho de nossos irmãos, por isso contamos contigo.

Se esta mensagem te foi útil, e achas que poderá ser útil a mais alguém, ajude-nos: (ficaremos muito gratos que, ao replicar o e-mail, seja preservada a fonte)

leia este texto completo e outros em:

http://www.portaldaradio.com

@elyvidal @radiocrista @pastorelyvidal @conipsip @CiepClube
#FalaPortaldaRadio #conipsi #cojae #dojae

Comentários

Autor: Ely Vidal

Olá, eu sou Psicanalista, Jornalista, Teólogo e pai de 7 filhos maravilhosos! Presido o Instituto IESS (Instituto de Educação e Serviço Social) que, dentre outras atividades, provê atendimentos psicanalíticos, suporte jurídico por meio da arbitragem e mediação de conflitos. CIP (Psicanalista) sob nº 0001-12-PF-BR. DRT (Jornalista) sob n° 0009597/PR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.