Menos Estado Mais Brasil

Quanto maior o governo, menor o cidadão.
Essa é uma das conclusões mais importantes sobre a sociedade, a qual você chegará.
De fato, esse conceito é a principal razão, pelo sucesso único dos EUA como uma sociedade livre e afluente. Tudo diminui à medida que o governo aumenta.
Nossas liberdades diminuem, nossa individualidade diminui, a benevolência diminui e o caráter diminui.
E isso não é um argumento político, a favor de um partido político, é apenas um fato observável e de bom senso. Ninguém nega que o governo pode e deve fazer certas coisas.
Há muito que o governo pode fazer.
É o governo que nos protege de ataques de outras nações, por isso temos nossas Forças Armadas.
É o governo que nos protege de criminosos em nosso País, por isso temos a polícia.
Igualmente, departamentos de bombeiros e tribunais, obviamente são instituições governamentais necessárias.
E sim, quando tudo mais falha: instituições de caridade, particulares e religiosas, família e amigos, aí sim, o governo deve estar lá, para prover um sistema de proteção como último recurso. Mas deve ser sempre o último recurso.
Quando o governo se torna o primeiro recurso, a primeira coisa que os cidadãos buscam quando têm um problema, coisas ruins acontecem. À medida que o governo cresce, quase tudo começa a desaparecer.
A primeira coisa a desaparecer quando o governo cresce demais, é a benevolência. Sim, a benevolência!
À medida que o governo cresce, as pessoas fazem menos o bem aos seus concidadãos. Afinal de contas, porque ajudar aos demais se o governo o fará por você?
Por isso, segundo a organização filantrópica internacional, “Charities Aid Foundation, e de acordo com diversas pesquisas, os americanos fazem mais caridade e voluntariam mais tempo para ajudar os outros, do que os europeus, sem mencionar os demais países do mundo.
desde o começo, os americanos entenderam que o governo deve ser pequeno e portanto os indivíduos devem dedicar tempo e dinheiro para ajudar os outros, assim como instituições de caridade não-governamentais. Elas precisam ser fortes e abundantes.
Os europeus, por sua vez, com sua filosofia de governo grande, passaram a esperar que o governo ajude os cidadãos e até mesmo seus próprios familiares.
A segunda coisa que diminui à medida que o governo cresce é o caráter de muitos de seus cidadãos.
Assim como ajudar os outros é sinal de bom caráter, igualmente é cuidar de si mesmo.
Esperar que os outros cuidem de você, quando você é capaz de cuidar de si mesmo, é simplesmente egoísta e a própria definição de “irresponsável”.
E pior ainda: Quanto maior o número de pessoas dependendo do governo, mais elas desenvolvem um sentimento de justiça própria. Esse sentimento de justiça própria, é a crença de que você não deve nada a ninguém, mas que todos – neste caso o governo e seus concidadãos, cujo dinheiro mantém o governo – devem a você!
O sentimento de justiça própria gera outros dois defeitos de caráter: ingratidão e ressentimento.
Quanto mais as pessoas esperam receber, menos agradecidas elas serão pelo que receberem. E elas ficam ressentidas sempre que esses privilégios acabam. A terceira coisa que o governo inchado diminui é a liberdade.
Deveria ser óbvio: quanto mais governo, mais regras, quanto mais regras, menos liberdade.
Em boa parte da Europa, por exemplo, o governo diz aos comerciantes por quantas horas eles podem manter seus próprios estabelecimentos abertos! É isso mesmo!
Na França e na Alemanha, por exemplo, você não pode manter seu próprio estabelecimento aberto depois de uma determinada hora. E tampouco pode abri-lo antes de uma certa hora.
Já nos EUA, o Registro Federal continha 2.620 páginas em 1936. Em 2012 ele continha 78.961 páginas com regras e regulamentações.
Entretanto, há coisas que o governo inchado sempre aumenta: corrupção, fraude e roubo. E como não?
A não ser que você ache que as pessoas são anjos e que o poder público atrai anjos, você sabe que um grupo de pessoas com poderes quase ilimitados, e acesso a quantidades quase ilimitadas de dinheiro abusará de seu poder. Por essas razões, o governo pequeno era a visão das pessoas que fundaram os EUA.
É a principal razão pela qual os EUA deram a mais gente mais liberdade e mais oportunidades para se viver uma vida melhor do que qualquer outro país. (Dennis Prager)

(ap. Ely Silmar Vidal – Teólogo, Psicanalista, Jornalista e presidente do CIEP – Clube de Imprensa Estado do Paraná)

Contato:
(41) 98514-8333 (OI)
(41) 99109-8374 (Vivo)
(41) 99821-2381 (WhatsApp)

Mensagem 140919 – Menos Estado Mais Brasil – (imagens da internet)

Que o Espírito Santo do Senhor nos oriente a todos para que possamos iluminar um pouquinho mais o caminho de nossos irmãos, por isso contamos contigo.

Se esta mensagem te foi útil, e achas que poderá ser útil a mais alguém, ajude-nos: (ficaremos muito gratos que, ao replicar o e-mail, seja preservada a fonte)

leia este texto completo e outros em:

http://www.portaldaradio.com

@elyvidal @radiocrista @pastorelyvidal @conipsip @CiepClube
#FalaPortaldaRadio #conipsi #cojae #dojae

Comentários

Autor: Ely Vidal

Olá, eu sou Psicanalista, Jornalista, Teólogo e pai de 7 filhos maravilhosos! Presido o Instituto IESS (Instituto de Educação e Serviço Social) que, dentre outras atividades, provê atendimentos psicanalíticos, suporte jurídico por meio da arbitragem e mediação de conflitos. CIP (Psicanalista) sob nº 0001-12-PF-BR. DRT (Jornalista) sob n° 0009597/PR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.