Golpe de Estado, Ilegalidade nas eleições favorecem

A denúncia na CCJ Comissão de Constituição e Justiça do golpe de Estado em curso e da ilegalidade das eleições de 2018.

A TV Senado transmitiu ao vivo a audiência pública da CCJ sobre a segurança do sistema eletrônico de votação, conduzida pelo senador Lassier Martins PDT/RS. O senador João Capiberibe PSB/AP afirmou que em 2003 foi aprovada uma LEI DO VOTO IMPRESSO e a mesma Lei caiu em 2004, portanto, há 15 anos atrás. Afirmou igualmente, que NÃO HÁ INTENÇÃO de fazer cumprir a Lei. Denunciou, com todas as letras, que “perdeu” as eleições para José Sarney cujas urnas foram FRAUDADAS a favor de Sarney. Afirma igualmente, que “há uma conspiração contra a democracia” e que é preciso revelar isso à Nação. No mesmo sentido, denunciou que o Judiciário está DESCUMPRINDO A LEI e que não pretende cumpri-la. Denuncia o GOLPE em curso no Brasil, inclusivamente afirmando que a INTERVENÇÃO FEDERAL no Rio de Janeiro faz parte dele. E, mais, afirma que corre pelo senado e que os senadores falam disso abertamente sobre a possibilidade de NÃO HAVER ELEIÇÃO EM 2018, ele inclusive já foi consultado sobre isso.

O senador fez a denúncia pública de que o TSE DESCUMPRE A LEI e que há um “entendimento” das instâncias superiores do Judiciário de DESRESPEITAR a vontade popular, agindo na ILEGALIDADE… O que significa dizer que há um “entendimento” das instâncias superiores do Judiciário em DESCUMPRIR a lei? Significa, com todas as letras, que o judiciário trama um GOLPE INSTITUCIONAL.

Oras, a fala de Capiberibe coloca claramente a questão: há setores dos 3 poderes da República (e os majoritários), sobretudo o Judiciário, envolvido na oficialização de um GOLPE DE ESTADO. Qual a razão? Para instalar a República Socialista em definitivo.

As denúncias são tão sérias que, SE existisse de fato FFAA neste país, os 3 poderes da República teriam sido fechados hoje. Ocorre que nada vai acontecer.

Há um teatro armado CONTRA O POVO, inclusive no sentido de “defender” o voto impresso para não dar muito nas vistas que a coisa correu em branco; argumentarão que após um longo e saudável “debate democrático” (porque finalmente as instituições estão funcionando impecavelmente) a justiça venceu e as eleições podem transcorrer “democraticamente”. Não pode não! A bem da verdade, há uma ILEGALIDADE CONSPIRATÓRIA em curso e simplesmente não se pode acatá-la. O POVO está desobrigado de aceitar o GOLPE que está sendo impetrado pelo TSE.

É absolutamente CRIMINOSO políticos, militares e “lideranças de rua” continuarem dando aval às eleições de 2018 conduzidas na mais absoluta ILEGALIDADE e, como se nada disso estivesse acontecendo. É um escárnio CRIMINOSO esse silêncio cúmplice martelando que as “instituições estão funcionando” e que, portanto, está tudo bem e dentro da lei.

Não há NENHUMA justificativa a favor de manter uma “eleição” fraudulenta, criminosa e ilegal que justifique a aceitação de um GOLPE DE ESTADO e, do GOLPE que vai levar o Brasil a sexta fase do comunismo de Gramsci (a fase definitiva).

O caminho? DESOBEDIÊNCIA CIVIL PACÍFICA em massa.

(ap. Ely Silmar Vidal – Teólogo, Psicanalista, Jornalista e presidente do CIEP – Clube de Imprensa Estado do Paraná)

Contato:
(014) 41 9 8514-8333 (Oi)
(041) 41 9 9820-9599 (Tim)
(015) 41 9 9109-8374 (Vivo)
(021) 41 9 9821-2381 (WhatsApp)

Mensagem 150318 – Golpe de Estado, Ilegalidade nas eleições favorecem – (imagens da internet)

Que o Espírito Santo do Senhor nos oriente a todos para que possamos iluminar um pouquinho mais o caminho de nossos irmãos, por isso contamos contigo.

Se esta mensagem te foi útil, e achas que poderá ser útil a mais alguém, ajude-nos: (ficaremos muito gratos que, ao replicar o e-mail, seja preservada a fonte)

leia este texto completo e outros em:

http://www.portaldaradio.com

#COJAE

Comentários

Autor: Ely Vidal

Olá, eu sou Psicanalista, Jornalista, Teólogo e pai de 7 filhos maravilhosos! Presido o Instituto IESS (Instituto de Educação e Serviço Social) que, dentre outras atividades, provê atendimentos psicanalíticos, suporte jurídico por meio da arbitragem e mediação de conflitos. CIP (Psicanalista) sob nº 0001-12-PF-BR. DRT (Jornalista) sob n° 0009597/PR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *