Estado de DEFESA. Generais não seguiriam as ORDENS de DILMA

General ex-chefe do ESTADO maior do EXÉRCITO fala sobre o “estado de Defesa” e sobre a “fidelidade” relativa dos Generais a Comandante – em – Chefe.
O general de Exército Rômulo Bini dissertou sobre a tentativa de imposição de um estado de defesa por Parte de Dilma Roussef. Em consonância com o que foi colocado por análise da Revista Sociedade Militar, o general deixa claro que o Exército não se submeteria a determinações contrárias ao interesse nacional.
Rômulo Bini disse, entre outras coisas, que:
“O Conselho da República e o Conselho de Defesa Nacional, assessores diretos da Presidência da República na adoção dessas medidas, são autoridades do governo e dificilmente decidirão de modo contrário aos seus interesses. Se assim acontecer, o interesse nacional será secundário. Então, como agirá o militar, de qualquer nível hierárquico, no cumprimento de missões oriundas e determinadas por esses preceitos constitucionais se as considerar ilegais e consubstanciadas a velados interesses de um “jogo político”? Como aceitaria cumprir um ato que julga ilegal dentro de uma missão legal?”
No trecho acima está mais que obvia a opinião do General. Quando coloca “como agira o militar no cumprimento de missões… se as considerar ilegais e consubstanciadas a velados interesses de um jogo político… Aceitaria cumprir uma ato que julga ilegal?”
As palavras de Rômulo Bini não são apenas jogadas ao vento, vêm de um homem que esteve no comando há pouco tempo e que tem muita influencia nos chamados “altos cuturnos” do Exército Brasileiro. Há algum tempo o referido militar, junto com outros generais, foi signatário de documento que criticava ações de Dilma Roussef, a despeito da irritação da Presidente e determinação para puni-lo, a ordem não foi cumprida pelo Exército.
Não se espera, como houve da parte de Mourão e Etchegoyen, outras manifestações de generais da ativa advertindo o governo atual e falando sobre a situação caótica vivida pelo país. Contudo, ha um outro lado importante a observar nisso, a despeito das declarações duras, os referidos generais permanecem na ATIVA. Dilma, ainda que quisesse, não tem força para mandá-los para o “PIJAMA”.
A verdade está cada vez mais clara, os militares estão cada vez mais desconfortáveis diante do caos institucional e o comando já se sente pressionado pelo restante do corpo na ativa e reserva.
Bini termina seu “aconselhamento” com o seguinte trecho deixando claro que acredita que as Forças Armadas podem acabar caindo em descrédito se não se posicionarem de forma mais incisiva.
Ele diz:
A Nação brasileira encontra-se num patamar crítico de sua História e não se antevê uma solução que possa trazer uma paz civilizada e democrática ao seu povo. As Forças Armadas, a instituição de maior conceito na sociedade, não poderão ser denegridas em função dessas “crises de insensatez”. Seus comandantes deverão estar atentos, pois o soldado brasileiro, conforme reza o seu juramento, é o guardião da honra, da integridade e das instituições do Brasil!
Revista Sociedade Militar – 06/04/2016
-sociedademilitar.com.br/wp/2016/04/estado-de-defesa-generais-nao-seguiriam-as-ordens-de-dilma.html

Comentários

Autor: Ely Vidal

Olá, eu sou Psicanalista, Jornalista, Teólogo e pai de 7 filhos maravilhosos!

Presido o Instituto IESS (Instituto de Educação e Serviço Social) que, dentre outras atividades, provê atendimentos psicanalíticos, suporte jurídico por meio da arbitragem e mediação de conflitos.

CIP (Psicanalista) sob nº 0001-12-PF-BR.
DRT (Jornalista) sob n° 0009597/PR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *