Bolsonaro X A Trama dos Poderosos

A ordem é a derrubada de Jair.
Mas, como se diz por aí, “é bom já ir se acostumando!”

E a sabedoria da equipe no momento certo, faz surgir textos e elementos que deixam com que, os encarregados de derrubá-lo, fiquem desnudos.
E ao ser pego nú, o Rei, que aqui representa a esquerda como um todo, percebendo-se no ridículo de sua nudez, tenta esconder-se, e não sabendo como fazê-lo, faz como o avestruz, que no momento do desespero, enterra a cabeça na areia e deixa a bunda à mostra.

Basta que se veja, e com bastante atenção a íntegra da mensagem:

“Bastaram 5 meses de um governo atípico, “sem jeito” com o congresso e de comunicação amadora para nos mostrar que o Brasil nunca foi, e talvez nunca será, governado de acordo com o interesse dos eleitores. Sejam eles de esquerda ou de direita.

Desde a tal compra de votos para a reeleição, os conchavos para a privatização, o mensalão, o petrolão e o tal “presidencialismo de coalizão”, o Brasil é governado exclusivamente para atender aos interesses de corporações com acesso privilegiado ao orçamento público.

Não só políticos, mas servidores-sindicalistas, sindicalistas de toga e grupos empresariais bem posicionados nas teias de poder. Os verdadeiros donos do orçamento. As lagostas do STF e os espumantes com quatro prêmios internacionais são só a face gourmet do nosso absolutismo orçamentário.

Todos nós sabíamos disso, mas queríamos acreditar que era só um efeito de determinado governo corrupto ou cooptado. Na próxima eleição, tudo poderia mudar. Infelizmente não era isso, não era pontual. Bolsonaro provou que o Brasil, fora desses conchavos, é ingovernável.

Descobrimos que não existe nenhum compromisso de campanha que pode ser cumprido sem que as corporações deem suas bênçãos. Sempre a contragosto.

Nem uma simples redução do número de ministérios pode ser feita. Corremos o risco de uma MP caducar e o Brasil ser OBRIGADO a ter 29 ministérios e voltar para a estrutura do Temer.

Isso é do interesse de quem? Qual é o propósito de o congresso ter que aprovar a estrutura do executivo, que é exclusivamente do interesse operacional deste último, além de ser promessa de campanha?

Querem, na verdade, é manter nichos de controle sobre o orçamento para indicar os ministros que vão permitir sangrar estes recursos para objetivos não republicanos. Historinha com mais de 500 anos por aqui.

Que poder, de fato, tem o presidente do Brasil? Até o momento, como todas as suas ações foram ou serão questionadas no congresso e na justiça, apostaria que o presidente não serve para NADA, exceto para organizar o governo no interesse das corporações. Fora isso, não governa.

Se não negocia com o congresso, é amador e não sabe fazer política. Se negocia, sucumbiu à velha política. O que resta, se 100% dos caminhos estão errados na visão dos “ana(lfabe)listas políticos”?

A continuar tudo como está, as corporações vão comandar o governo Bolsonaro na marra e aprovar o mínimo para que o Brasil não quebre, apenas para continuarem mantendo seus privilégios.

O moribundo-Brasil será mantido vivo por aparelhos para que os privilegiados continuem mamando. É fato inegável. Está assim há 519 anos, morto, mas procriando. Foi assim, provavelmente continuará assim.

Antes de Bolsonaro vivíamos em um cativeiro, sequestrados pelas corporações, mas tínhamos a falsa impressão de que nossos representantes eleitos tinham efetivo poder de apresentar suas agendas.

Era falso, FHC foi reeleito prometendo segurar o dólar e soltou-o 2 meses depois, Lula foi eleito criticando a política de FHC e nomeou um presidente do Bank Boston, fez reforma da previdência e aumentou os juros, Dilma foi eleita criticando o neoliberalismo e indicou Joaquim Levy. Tudo para manter o cadáver procriando por múltiplos de 4 anos.

Agora, como a agenda de Bolsonaro não é do interesse de praticamente NENHUMA corporação (pelo jeito nem dos militares), o sequestro fica mais evidente e o cárcere começa a se mostrar sufocante.

Na hipótese mais provável, o governo será desidratado até morrer de inanição, com vitória para as corporações. Que sempre venceram. Daremos adeus Moro, Mansueto e Guedes. Estão atrapalhando as corporações, não terão lugar por muito tempo.

Na pior hipótese ficamos ingovernáveis e os agentes econômicos, internos e externos, desistem do Brasil. Teremos um orçamento destruído, aumentando o desemprego, a inflação e com calotes generalizados. Perfeitamente plausível. Claramente possível.

A hipótese nuclear é uma ruptura institucional irreversível, com desfecho imprevisível. É o Brasil sendo zerado, sem direito para ninguém e sem dinheiro para nada. Não se sabe como será reconstruído. Não é impossível, basta olhar para a Argentina e para a Venezuela. A economia destes países não é funcional. Podemos chegar lá, está longe de ser impossível.

Agradeçamos a Bolsonaro, pois em menos de 5 meses provou de forma inequívoca que o Brasil só é governável se atender o interesse das corporações. Nunca será governável para atender ao interesse dos eleitores. Quaisquer eleitores. Tenho certeza que esquerdistas não votaram em Dilma para Joaquim Levy ser indicado ministro. Foi o que aconteceu, pois precisavam manter o cadáver Brasil procriando. Sem controle do orçamento, as corporações morrem.

O Brasil está disfuncional. Como nunca antes. Bolsonaro não é culpado pela disfuncionalidade, pois não destruiu nada, aliás, até agora não fez nada de fato, não aprovou nada, só tentou e fracassou. Ele é só um óculos com grau certo, para vermos que o rei sempre esteve nu, e é horroroso.

Infelizmente o diagnóstico racional é claro: “Sell”.” – (Autor desconhecido)

O texto traz uma riqueza simbólica interessante, porém, onde se ignora o que de fato representa esse governo que surgiu de um pleito complicadíssimo e onde, quase não existia a possibilidade de alguém diferente do aceito pelo “status quo” ser aceito como vencedor das eleições.
A eleição estava certa que seria do Haddad, e que o Bolsonaro, ainda que ganhasse não levaria de jeito algum.
Todas as peças estavam compradas, ou seja, as urnas já tinham sido manipuladas, para que o resultado fosse Haddad e não Bolsonaro, mas teve uma situação que fugiu ao controle dos dominadores de plantão; um certo general Azevedo e Silva, estava lotado no gabinete do Dias Toffoli e estava orientando o STF, a fim de que não permitisse que o TSE cometesse a burrice de ignorar o real resultado das urnas.
Pois bem, eles foram obrigados a engolir a realidade dos fatos, e Bolsonaro foi eleito.
A contragosto, foi também diplomado, uma vez que tiveram que assumir que Bolsonaro também não foi morto, apesar de a facada ter sido dada com o potencial de neutralizar um animal de grande porte. Não contavam, que ao lado de Bolsonaro, operava um grande Deus e que esse grande Deus, está operando em prol desta nação.
Hoje eles percebem um governo muito diferente, atípico, e que não aceita conchavos e que segundo eles, trata-se de um governo “sem jeito” e que por não saber conversar com o congresso, portador de uma comunicação amadora, não pode governar.
Para os autocratas e cleptocratas de plantão, o Brasil não pode jamais ser governado segundo os interesses da população séria e honesta deste País. O Brasil só pode ser governado por bandidos e canalhocratas.

Compra de votos e conchavos é a palavra de ordem, e tudo o que passar disso, é obra que não é permitida nos salões palacianos.
Lembrando que já não se ruborizam e tratam de mostrar seus desinteresses em tudo o que seja honesto e sério, e tudo o que seja falcatrua e malandragem e maracutaia é o que será adotado, por cada um dos membros do poder.

Tudo gira em torno dos interesses de uma classe privilegiada que não só não quer largar o osso, como não pode; pois se largarem o osso, sabem que todos irão em cana, e que muitos poderão inclusive sofrer penalidades bastante pesadas, por conta de crimes que são imperdoáveis, dada a continuidade delitiva, e mesmo os meandros para alcançar os objetivos.
Não se trata apenas de uma ou outra licitação fraudulenta, ou mesmo de alguma licitação vergonhosa como a das lagostas, vinhos, cachaças e espumantes com que se esbaldam os “SUPREMOS”.
Como diz o ilustre escritor anônimo, isso é somente a face gourmet do nosso absolutismo orçamentário.

Isso tudo já estava evidenciado a muito tempo, porém, o pobre povo brasileiro, idiotizado, queria acreditar que tudo se resolveria por bem na próxima, ou, quando muito, nas próximas eleições.
Infelizmente, isso não mudaria, não, sem um esforço hercúleo, de pessoas que muito seriamente quisessem entrar nessa guerra.
Assim surgiu o Bolsonaro e essa grande equipe, como se apenas para provar que o Brasil, sem conchavos e sem maracutaias não pode existir, e não será governável em hipótese alguma, porque fere suscetibilidades dos poderosos de plantão.

Portanto, compromissos de campanha que se explodam. Isso não é o que interessa, o que interessa é que o corporativismo seja saciado e plenamente satisfeito, caso contrário, facadas, tiros e retaliações das mais diversas surgirão, e coitado de quem esteja à frente.

Nada pode ser feito, nem mesmo o cancelamento de uma simples e escandalosa licitação, assim como também, uma redução nos gastos, através de redução do número de ministérios. Nada pode ser feito, a não ser que haja o conchavo, a festança e o corre-corre de malas de dinheiro.

Pois bem, creio desnecessário dizer, que tudo isso já estava previsto pelos militares quando em 2015 no SENADO o ilustre general Villas Bôas, falou de forma quase irônica, que o Brasil não precisava de tutela, uma vez que funcionavam suas Instituições de forma harmônica.
Ou como ele mesmo deixava nas entrelinhas, naquele longínquo, porém nem tanto, setembro de 2015, um País, que contava àquela época com a cifra de 50.000 mortos, provavelmente funcionava de forma adequada, àquele estilo de governança.

Pois então, percebe-se assim, que tudo no País não funciona, senão pelas ordens da grande corporação criminosa, ou seja a ORCRIM (Organização Criminosa) que opera de forma desavergonhada e que determina o que pode e o que não pode ser feito.
Por isso que se percebe que para essa gente, aquele que não negocia com o congresso, é amador e não sabe fazer política.

Por esse motivo, estão ousando os “donos” do poder, a inclusive instaurar mesmo sem o apoio das massas, o que eles acham que salvaria o País de um “governo amador e mal formado”, que seria a colocada goela abaixo da população brasileira, de uma espécie de Regime Parlamentarista, para que assim, Bolsonaro seja apenas um fantoche e que verdadeiramente o Brasil seja governado pelos altos e escusos interesses Oligárquicos.

Essa bola foi cantada por Geisel e por Figueiredo, e foi dito que quando o Brasil quisesse a sua carta de alforria, teria que ser à custa de sangue, de muito sangue, porque esses poderosos não quereriam largar o osso de jeito algum.

Não concordo com tudo o que essa carta fala, mas devo admitir que ela tem muito de verdade em seu conteúdo.
Ela fala por exemplo que nem mesmo os militares têm interesse nas mudanças. Não concordo, e acho inclusive que os militares, são os reais responsáveis por muito do que está de fato acontecendo, e que são esses militares que colocarão o País nos trilhos novamente, e por isso estão lotados no governo.
Espero não estar errado, porque se estiver, realmente, então não encontraremos mais nada que nos possa acalentar.
Mas acho que sim, estamos já livres, sendo apenas uma questão de tempo, para que nossas Forças Armadas, atuem da forma, como eles sabem, como atuar e nos libertem desse cárcere que de fato está sufocante.

Realmente Bolsonaro, deixou o Rei nú, corrigindo nossa miopia, enfim todos os nossos problemas de visão, para que pudéssemos perceber o estranho fato de o Rei andar nú, e que além de tudo, ele é feio pra cacete. Ele é, a verdadeira visão do inferno.

O General Otávio do Rego Barros, ao ser questionado sobre a posição de Bolsonaro, com relação à carta acima, respondeu:

“Venho colocando todo meu esforço para governar o Brasil. Infelizmente os desafios são inúmeros e a mudança na forma de governar não agrada àqueles grupos que no passado se beneficiavam das relações pouco republicanas. Quero contar com a sociedade para juntos revertermos essa situação e colocarmos o País de volta ao trilho do futuro promissor. Que Deus nos ajude!” (Jair Messias Bolsonaro)

Não concordo também com a opinião de alguns de que Bolsonaro esteja desesperado e que portanto esteja querendo o apoio da população, até porque ele sabe que o povo está ao seu lado. Não existe a menor sombra de dúvida de que todos que nele votaram, e muitos dos que não votaram, estão flagrantemente satisfeitos com sua trajetória de janeiro para cá.
De qualquer forma, deixo aqui a ideia de que precisamos estar mais confiantes nos passos do governo e deixar de fazer coro aos agoureiros de plantão.

(ap. Ely Silmar Vidal – Teólogo, Psicanalista, Jornalista e presidente do CIEP – Clube de Imprensa Estado do Paraná)

Contato:
(41) 99820-9599 (TIM)
(41) 98514-8333 (OI)
(41) 99109-8374 (Vivo)
(41) 99821-2381 (WhatsApp)

Mensagem 180519 – Bolsonaro X A Trama dos Poderosos – (imagens da internet)

Que o Espírito Santo do Senhor nos oriente a todos para que possamos iluminar um pouquinho mais o caminho de nossos irmãos, por isso contamos contigo.

Se esta mensagem te foi útil, e achas que poderá ser útil a mais alguém, ajude-nos: (ficaremos muito gratos que, ao replicar o e-mail, seja preservada a fonte)

leia este texto completo e outros em:

http://www.portaldaradio.com

@elyvidal @radiocrista @pastorelyvidal @conipsip @CiepClube
#FalaPortaldaRadio #conipsi #cojae #dojae

Comentários

Autor: Ely Vidal

Olá, eu sou Psicanalista, Jornalista, Teólogo e pai de 7 filhos maravilhosos! Presido o Instituto IESS (Instituto de Educação e Serviço Social) que, dentre outras atividades, provê atendimentos psicanalíticos, suporte jurídico por meio da arbitragem e mediação de conflitos. CIP (Psicanalista) sob nº 0001-12-PF-BR. DRT (Jornalista) sob n° 0009597/PR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.