A Bipolaridade no complexo Edipiano

-Bipolaridade é digna de análise e participar desta realidade interacional é subjetivo.
Os significantes, ou polaridades no contexto, atuam entre si constante e inconstante, buscam pela ID, realidade e significado.
ID – Fonte de energia psíquica (líbido), É formado pelas pulsões – instintos, impulsos orgânicos e desejos inconscientes. Funciona segundo o princípio do prazer, ou seja, busca sempre o que produz prazer e evita o que é aversivo.
– A estrutura bipolar pode ser a dupla personalidade em formação? Será complexo edipiano de conflitos ou estrutura narcísica dependente da inconstância para adaptação?
Existem mecanismos de defesa do Ego interagindo nas polaridades. vale aprofundar-se no conhecimento das principais defesas psíquicas e adentrar na realidade Bipolar;- Identificação, contra-investimento, formação reativa, projeção, sintoma retorno do recalcado, identificação projetiva, isolamento, deslocamento, sublimação e mais, cada caso é um caso.*Os mecanismos de defesa não representam apenas o conflito e a patologia, eles são também uma forma de adaptação. O que torna “as defesas” um aspecto doentio é sua utilização ineficaz ou então sua não adaptação às realidades internas ou externas. (Bergeret, 2006).
Contrariedades do Bipolar, defesa de identificação e significado.* A identificação é uma atividade afetiva e relacional indispensável ao desenvolvimento da personalidade. “Como todas as outras atividades psíquicas, a identificação pode, por certo, ser utilizada igualmente para fins defensivos.” (Bergeret, 2006, pág. 101)
A busca pelo *ID, libido, gera o mecanismo defensivo da Identificação, no auge do seu complexo o conflito, ou adaptação, interno com externo, constitui-se uma resistência psíquica que gera inconstância e oscilações no Superego, tal é o mecanismo defensivo de adaptação e conflitos do Eu.
– Superego – responsável pelo discernimento moral e ético da estrutura psíquica. Função dele é conter os impulsos do ID.
A personalidade no bipolar constitui uma realidade subjetiva defensiva, uma estrutura na;-Identificação primária;“é o modo primitivo de constituição do sujeito sobre o modelo do outro, correlativo da relação de incorporação oral, visando, antes de mais nada, a assegurar a identidade do sujeito, a constituição do Si-mesmo e do Eu.” (Houser, 2006, pág. 43) e – Identificação secundária;é contemporânea do movimento edipiano, se fazendo sucessivamente em relação aos dois pais, em suas características sexuadas, e constitutiva da identidade sexuada e da diferenciação sexual. (Houser, 2006).
* Bergeret (2006) diz que na identificação primária o objeto deve ser devorado sem distinção prévia entre ternura e hostilidade, nem entre Si-mesmo e não-Si-mesmo, em um movimento que visa precisar a identidade narcisista de base do sujeito.
A identificação secundária, segundo Bergeret (2006), é destinada a afirmar a identidade sexual do sujeito, com todos os seus avatares possíveis em psicopatologia. A criança, primeiro renunciando a incorporar o genitor amado, depois renunciando à ideia de um comércio sexual com ele, vai se consolar absorvendo as qualidades representadas por ele, por meio desse objeto. Esse movimento pode ir até uma regressão defensiva, com todas as perturbações dialéticas possíveis. Mas as identificações ligadas ao genitor do mesmo sexo vêm normalmente completar e organizar genitalmente as identificações primárias, e abrir caminho para as relações posteriores do tipo verdadeiramente objetal e genital. A partir da psicologia coletiva, Freud descreveu um terceiro tipo de identificação: onde o sujeito identifica seus próprios objetos aos objetos de um outro sujeito, e principalmente aos objetos de um grupo por inteiro. Isso se produz por imitação e contágio, fora do laço libidinal direto. (Bergeret, 2006)Fonte: https://psicologado.com/ab…/psicanalise/mecanismos-de-defesa ©Psicologado.com
-A realidade de, estar bem e estar mal é peculiar e agressivo para mente.A bipolaridade em jovens é assunto que carece de prevenção, atenção e cuidados no âmbito e relação familiar, seguido o sociocultural… Este quadro desencadeia fortemente na fase adulta, sua origem é na infância, início de nossos complexos nossos atuais.
A psicanálise se faz presente neste caso como profilaxia; analisando comportamentos, observando, estruturando um novo perfil psíquico dentro da realidade pessoal… É a prevenção contra esses males que afetam a mente gradativamente.
-Complexos, defesas fincam no inconsciente, gravam toda uma hierarquia de acontecimentos, histórias, dramas, vivências, registros… A mente não é só estrutura organizada por ID, EGO e SUPEREGO é muito além, é inconsciente, é mais profundo.
– A bipolaridade sendo uma estrutura genética ou não, “repassada como herança” – seguramente sem querer dizer, a seu primogênito, ou não… Profissionais devem nos dias atuais serem mais cuidadosos em diagnosticar e tratar destes pacientes. Muitos em tempos atrás não receberam o mesmo cuidado e ficaram a mercê do descaso, ignorados pelos fatos, pelo diagnóstico. Internam o indivíduo em manicômios, hospitais psiquiátricos, tais “loucos” bipolares com capacidade de restabelecerem-se socialmente… Que hoje isto seja bem observado pelo mais compassível entendimento, afim de não prejudicar a mente de quem deve expressar o seu ID real, o significado do significante, a verdadeira identificação consigo mesmo.
A psicanálise nos faz pensar e encontrar respostas, quem procura acha! Quem sou na essência? O que faço com meu presente? Qual aprendizado? Muitas questões e respostas lógica. Observando, analisando, aprendendo… se o mal está na raiz, na identificação, corte esse mal da projeção e o significado aparece.Breve análise reflete recomendação… Antes de tudo a família ou responsável pelo paciente deve buscar primeiramente um tratamento, o sintoma está em todos. – (Psicanalista Carmen Viana – 06/04/2016)

Comentários

Autor: Ely Vidal

Olá, eu sou Psicanalista, Jornalista, Teólogo e pai de 7 filhos maravilhosos! Presido o Instituto IESS (Instituto de Educação e Serviço Social) que, dentre outras atividades, provê atendimentos psicanalíticos, suporte jurídico por meio da arbitragem e mediação de conflitos. CIP (Psicanalista) sob nº 0001-12-PF-BR. DRT (Jornalista) sob n° 0009597/PR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *